Clique aqui para obter uma tradução automática do texto seguinte.
Regiões em ação: da neutralidade climática à erradicação da pobreza energética  
Um observatório europeu para a neutralidade climática e metas da UE para erradicar a pobreza energética entre os governos locais e regionais foram as medidas propostas para alcançar uma Europa neutra em termos de clima até 2050

A pobreza energética e a luta contra o aquecimento global estiveram no cerne da 23.ª reunião da Comissão do Ambiente, Alterações Climáticas e Energia (ENVE) do Comité das Regiões Europeu. A execução ao nível local dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e do Acordo de Paris em matéria de clima, bem como o apoio explícito às regiões carboníferas, foram também objeto de debate. Tendo em vista as eleições europeias em maio, Cor Lamers, presidente da Comissão ENVE, sublinhou a necessidade de «satisfazer as expectativas dos nossos jovens relativamente à crise climática que atravessamos».

Na abertura da 23.ª reunião da Comissão do Ambiente, Alterações Climáticas e Energia (ENVE), o seu presidente, Cor Lamers (NL-PPE) , presidente do município de Schiedam, declarou: «Todas as semanas os jovens europeus nos recordam a crise climática que atravessamos e temos de satisfazer as expectativas deles. Temos de apresentar medidas novas e inovadoras para maximizar o potencial de converter a transição da Europa para energias limpas em crescimento sustentável e em emprego. Na qualidade de assembleia da UE dos municípios e das regiões, estamos empenhados em envidar todos os esforços para concretizar os mecanismos formais que envolvem os órgãos de poder local e regional nas políticas da UE e nacionais relativas ao clima e à energia».

Os membros adotaram um projeto de parecer – Um Planeta Limpo para Todos – Estratégia a longo prazo da UE para uma economia próspera, moderna, competitiva e com impacto neutro no clima . O relator, Michele Emiliano (IT-PSE) , presidente da região da Apúlia, afirmou: «Para concretizarmos uma economia com emissões líquidas nulas e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, necessitamos de ações novas e de um financiamento público mais bem orientado ao nível nacional e da UE. A transição para a neutralidade carbónica constitui uma oportunidade para incentivar as tecnologias limpas, competências novas e postos de trabalho novos. A fixação apropriada dos preços das energias fósseis através das licenças de emissão e da tributação é fundamental para a transição para as energias renováveis. A Diretiva Tributação da Energia e as regras em matéria de auxílios estatais devem reduzir os impostos sobre as energias renováveis, a fim de promover a sua aceitação pelo mercado».

Os municípios e as regiões solicitam o aumento, pelo menos para 30%, da percentagem de despesas do orçamento da UE consagradas a objetivos a favor do clima, bem como reduções da carga fiscal no âmbito dos programas de financiamento da UE para a neutralidade climática. O parecer do presidente Michele Emiliano reitera o apelo do CR às instituições da UE e aos Estados-Membros para que criem uma plataforma de diálogo permanente a vários níveis sobre energia, se institucionalize o sistema de contributos determinados a nível local (CDL) no âmbito dos planos nacionais em matéria de energia e clima (PNEC) e se crie um observatório europeu para a neutralidade climática que faça o levantamento e acompanhe os territórios vulneráveis. 

O parecer de Michele Emiliano requer o envolvimento sistemático dos órgãos de poder local e regional na execução dos ODS, do Acordo de Paris e nos trabalhos preparatórios para a COP25, incluindo um representante do CR no papel de observador em todos os trabalhos preparatórios dos órgãos da CQNUAC. O parecer, que será votado durante a reunião plenária de junho, contribui para a estratégia para uma economia com impacto neutro no clima em 2050 , publicada pela Comissão Europeia em novembro de 2018.

Os membros adotaram por unanimidade o Parecer – Governação a vários níveis e cooperação transetorial para combater a pobreza energética . A relatora Kata Tűttö (HU-PSE) , representante do 12.º distrito de Budapeste, declarou: «Mais de 50 milhões de europeus têm dificuldade em aquecer as suas casas no inverno devido aos preços elevados da energia, aos rendimentos baixos e a edifícios húmidos e insalubres.    Um número demasiado elevado de europeus tem de escolher entre comer e aquecer-se no inverno. A UE definiu objetivos muito ambiciosos em matéria de energia e ambiente, é chegado o momento de definir um objetivo europeu para erradicar a pobreza energética». 

A relatora Kata Tűttö defende que todos têm o direito a uma energia acessível e propõe uma «moratória sobre a suspensão da prestação de serviços públicos devido ao não pagamento, para que nenhum agregado familiar fique sem aquecimento ou arrefecimento básico». O parecer será votado na reunião plenária de 26 e 27 de junho de 2019.

Os membros concordaram em elaborar um parecer de iniciativa sobre o Pacto de Autarcas após 2020 e designaram para relatora Benedetta Brighenti (IT-PSE) , membro do Conselho Municipal de Castelnuovo Rangone, na região de Emília-Romanha.

Os membros da Comissão ENVE reunir-se-ão entre 12 e 14 de junho de 2019, em Bucareste, para a 12.ª conferência sobre o Plano Estratégico para as Tecnologias Energéticas (Plano SET) , organizada em conjunto com a Comissão Europeia. Juntamente com a Associação de Municípios da Roménia e a Presidência romena do Conselho da UE, o evento analisará os instrumentos tecnológicos e financeiros suscetíveis de promover a aceitação pelo mercado de produtos e serviços ecológicos e inovadores e de fazer com que a transição energética se concretize ao nível local.

Os membros procederam a uma troca de pontos de vista sobre os seguintes pareceres:

Uma Europa sustentável até 2030: o seguimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, a transição ecológica e o Acordo de Paris sobre as Alterações Climáticas , relatora: Sirpa Hertell (FI-PPE). Os municípios e as regiões solicitam a definição de metas e de indicadores para medir os progressos realizados na execução dos ODS aos níveis local e regional. O parecer deve ser adotado em outubro de 2019.

Aplicação do Acordo de Paris através de uma transição energética inovadora e sustentável a nível regional e local , relator: Witold Stępień (PL-PPE). O parecer deve ser adotado em outubro de 2019.

Implementação do pacote Energias Limpas: Os planos nacionais integrados em matéria de energia e clima como instrumento para uma abordagem transversal em matéria de clima, energia ativa e energia passiva , relator: József Ribányi (HU-PPE). O parecer deve ser adotado em outubro de 2019.

Nota às redações:

As fotografias da reunião da Comissão ENVE podem ser descarregadas aqui .

Para aceder a todos os documentos da reunião da Comissão ENVE, clique aqui .

O Comité das Regiões Europeu reagiu aos diferentes elementos do pacote Energias Limpas nos seguintes pareceres:  

Um novo quadro para os consumidores de energia , relator: Michel Lebrun (BE-PPE), membro do Conselho Municipal de Viroinval (abril de 2016).

Governação da União da Energia e energias limpas , relator: Bruno Hranić (HR-PPE), presidente do município de Vidovec (julho de 2017).

Eficiência energética e edifícios , relator: Michiel Rijsberman (NL-ALDE), membro do Executivo da Província da Flevolândia (julho de 2017).

Energias renováveis e mercado interno da eletricidade , relatora: Daiva Matonienė (LT-CRE), membro do Conselho Distrital de Šiauliai.

Janeiro de 2019 – Comunicado de imprensa da CE – Um Planeta Limpo para Todos – Estratégia a longo prazo da UE para uma economia próspera, moderna, competitiva e com impacto neutro no clima. Estratégia completa (PT) .

Janeiro de 2019 – Terceiro relatório da Comissão Europeia – Preços e custos da energia na Europa .

Contacto: David Crous | david.crous@cor.europa.eu | +32 (0) 470 88 10 37

Share: