Clique aqui para obter uma tradução automática do texto seguinte.
Presidente Apostolos Tzitzikostas: propostas de orçamento e plano de recuperação da UE protegem e capacitam as regiões, as cidades e as aldeias, tal como solicitou o Comité das Regiões Europeu  

O Quadro Financeiro Plurianual da UE para 2021-2027 e o plano de recuperação vão ao encontro dos apelos do CR no sentido de apoiar a recuperação das comunidades regionais e locais. Também dão uma resposta aos populistas e aos eurocéticos, demonstrando o valor acrescentado da União Europeia.

Nas suas observações ao QFP e ao plano de recuperação da UE propostos pela Comissão Europeia, o presidente do Comité das Regiões Europeu, Apostolos Tzitzikostas, declarou: «O orçamento da UE no valor de 1,1 biliões de euros e o plano de recuperação de 750 mil milhões de euros incidem na segurança, na recuperação e na resiliência das regiões, cidades e aldeias em toda a Europa e incluem os principais elementos solicitados pelo Comité das Regiões Europeu. Além disso, dão uma resposta clara aos populistas e aos eurocéticos, demonstrando o valor acrescentado da União Europeia nestes tempos difíceis. Solicito aos Estados-Membros da UE e ao Parlamento Europeu que examinem e adotem rapidamente as propostas apresentadas hoje pela presidente Ursula von der Leyen».

«Tal como solicitado pelo Comité das Regiões Europeu, o novo projeto de orçamento da UE inclui um Fundo de Recuperação da UE de, pelo menos, 500 mil milhões de euros em subvenções. Cria um novo programa no domínio da saúde, que reúne todos os níveis de governo – UE, nacional e regional –, destinado a melhorar os serviços de saúde e as estruturas sanitárias em todo o continente. A proposta revitaliza a política de coesão da UE com dotações superiores a 373 mil milhões de euros, reforça o desenvolvimento rural com um investimento de 90 mil milhões de euros e fomenta uma transição justa com um fundo de 40 mil milhões de euros. Em consonância com as nossas reivindicações, os planos da Comissão também fornecem respostas importantes para setores vitais como o turismo, a cultura e as PME», acrescentou o presidente Apostolos Tzitzikostas.

A presidente da Comissão da Política de Coesão Territorial e Orçamento da UE ( COTER ),  Isabelle Boudineau (FR - PSE) , observou o seguinte: «Para além dos números da nova proposta, é essencial que os recursos europeus sejam disponibilizados rapidamente e investidos no terreno de forma útil. As regiões e os municípios sabem melhor em que domínios ou setores urge investir para contrariar as consequências da crise e preparar o futuro. Este não pode ser um exercício imposto a partir de cima, pelo que precisamos de um Semestre Europeu renovado que associe os órgãos de poder local e regional e se centre na localização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Se a União Europeia não corresponder às nossas expectativas, adiando as decisões sobre o QFP e o plano de recuperação, as consequências serão desastrosas do ponto de vista social, económico e, além disso, político».

O primeiro vice-presidente do CR, Vasco Cordeiro (PT-PSE) , declarou: «O Quadro Financeiro Plurianual proposto pela Comissão aumenta o apoio concedido aos municípios e regiões para que estes superem as dificuldades sociais e económicas e reduzam as desigualdades territoriais e as disparidades entre os cidadãos. Este aspeto é crucial não só para a política de coesão, que é agora mais necessária do que nunca, mas também para todo o plano de recuperação e o orçamento da UE. O acesso aos fundos deve ser fácil para que os nossos municípios e regiões possam agir com coerência e assegurar que os investimentos da UE são eficazes e direcionados para as necessidades reais dos nossos cidadãos».

O relator do CR sobre o Quadro Financeiro Plurianual, Nikola Dobroslavić (HR-PPE) , afirmou: «Regozijo-me com os planos da Comissão de prorrogar os programas da política de coesão em vigor, mediante a afetação de fundos adicionais até 2022, e de reforçar o nível do investimento da política regional destinado ao crescimento sustentável e resiliência para 2021-2027. Tal sustentará a criação de emprego, a competitividade das empresas, o crescimento económico e o desenvolvimento sustentável. O CR está determinado a prosseguir o seu trabalho para aumentar a visibilidade do orçamento da UE e do seu valor acrescentado na vida das pessoas».

CONTEXTO

Desde o início da pandemia de COVID-19, o Comité das Regiões Europeu fez ecoar a voz de um milhão de políticos eleitos a nível regional e local em toda a Europa .

Na sua declaração adotada em 8 de maio, o CR solicitou:

1) um plano para uma Europa sustentável, resiliente e social, incluindo um Fundo de Recuperação da UE, associado a um orçamento da UE ambicioso e apoiado no seguro de dívida europeu, no valor de, pelo menos, 500 mil milhões de euros;

2) um mecanismo de emergência sanitária da UE para adquirir material médico e para avaliar, ajustar e acompanhar a capacidade de investimento dos sistemas de saúde regionais na resiliência e na sustentabilidade dos cuidados de saúde;

3) regimes de financiamento para ajudar as comunidades regionais e locais a compensar as perdas fiscais ao nível local e a reconfigurar os serviços públicos, tornando-os digitais, sustentáveis e resilientes;

4) procedimentos simplificados para o financiamento de infraestruturas locais sustentáveis;

5) mecanismos específicos e regimes jurídicos para apoiar as PME, o turismo e a cultura;

6) um plano de integração rural para promover a inovação, o empreendedorismo e a conectividade nas zonas rurais.

Contacto:

Porta-voz do presidente:

Michele Cercone

Tel.: +32 (0)498 98 23 49

Michele.Cercone@cor.europa.eu