Clique aqui para obter uma tradução automática do texto seguinte.
CELE não deve prejudicar coesão territorial nem colocar em risco cidadãos mais vulneráveis  

A revisão do Sistema de Comércio de Licenças de Emissão da União Europeia é uma pedra angular da estratégia da UE para alcançar a neutralidade climática até 2050

O Sistema de Comércio de Licenças de Emissão da União Europeia (CELE) não deve prejudicar a coesão territorial nem colocar em risco os cidadãos e territórios mais vulneráveis. Esta foi uma das principais mensagens do 4.º diálogo a vários níveis sobre clima e energia , uma iniciativa do Comité das Regiões Europeu que visa fomentar os intercâmbios entre os governos da UE, nacionais, regionais e locais, a fim de melhorar a governação energética da UE. O diálogo foi organizado em conjunto com a Presidência eslovena do Conselho da UE e contou com a presença de 14 Estados-Membros.

Criado em 2005, o CELE é o primeiro sistema internacional de comércio de licenças de emissão do mundo e assenta no princípio de «limitação e comércio». O diálogo de hoje centrou-se nos benefícios e riscos do sistema atual e nas revisões propostas, apresentadas pela Comissão Europeia em 14 de julho de 2021 como parte do pacote Objetivo 55 . ‏O impacto do CELE revisto variaria consideravelmente em cada Estado-Membro e região da UE. O diálogo destacou algumas das fragilidades do CELE, como a volatilidade do mercado, que entrava a competitividade externa e aumenta o risco de pobreza energética e de mobilidade para os cidadãos. Sublinhou igualmente o seu potencial para a promoção de investimentos em tecnologias inovadoras e hipocarbónicas.

Na abertura do diálogo, o primeiro vice-presidente do Comité das Regiões Europeu e deputado à Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, Vasco Alves Cordeiro (PT-PSE), afirmou: «É mais urgente do que nunca que as nossas ambições e o nosso empenho em matéria de clima assentem na cooperação a vários níveis e na subsidiariedade ativa. O CELE não deve prejudicar a coesão territorial nem pôr em risco os cidadãos e territórios mais vulneráveis. As regiões e os municípios da Europa têm competências e conhecimentos especializados essenciais no setor da energia e dos transportes e devem desempenhar um papel fundamental na trajetória da UE rumo à neutralidade climática. O CELE é um instrumento poderoso para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, mas deve equilibrar os objetivos climáticos com a proteção social e a recuperação económica.»

O ministro do Ambiente e do Ordenamento do Território da Eslovénia, Andrej Vizjak , salientou que o CELE é um instrumento político fundamental para atenuar as alterações climáticas e avançar rumo a uma economia neutra em carbono, e salientou: «O evento de hoje é um fórum em que cumpre divulgar a importância do CELE para a trajetória da UE rumo à transição ecológica. Tendo em conta que esta transição deve ser justa, importa informar e associar os representantes dos órgãos de poder local e regional ao processo de elaboração da legislação de execução necessária para que possamos cumprir os nossos objetivos em matéria de clima.»

O presidente do município de Mannheim, Peter Kurz (DE-PSE), relator do Parecer do CR – Colocar o Sistema de Comércio de Licenças de Emissão e o mecanismo de ajustamento carbónico fronteiriço ao serviço dos municípios e das regiões da UE , afirmou: «O Sistema de Comércio de Licenças de Emissão é uma força motriz do pacote Objetivo 55. A melhor forma de garantir a eficácia deste pacote nos municípios e regiões da Europa é associando os órgãos de poder local e regional à introdução do novo sistema de comércio de licenças de emissão. Para garantir que ninguém e nenhuma região ficam para trás, proponho incluir uma dimensão regional na distribuição dos fundos provenientes do Fundo de Modernização. A transição para uma economia hipocarbónica não deve ser encarada como uma limitação do crescimento económico. A transformação acelerada proporcionará também oportunidades económicas, uma vez que os produtos e métodos de produção com impacto neutro no clima constituirão uma vantagem competitiva.»

Em representação da Comissão Europeia, Stefanie Hiesinger , do gabinete do vice-presidente executivo Frans Timmermans, insistiu na necessidade urgente de incluir o transporte marítimo no novo CELE e de visar especialmente os edifícios e os transportes, uma vez que as emissões destes setores continuam a aumentar. A representante da Comissão sublinhou que os custos seriam suportados pelos distribuidores de combustível e não pelos cidadãos, graças ao Fundo Social para o Clima, que visa combater a pobreza energética, e ao aumento dos subsídios de solidariedade e dos fundos para a inovação pela Comissão.

Contexto :

Em 14 de julho de 2021, a Comissão Europeia apresentou o pacote Objetivo 55 em resposta ao reforço das ambições da UE em matéria de ação climática. O pacote, que consiste em 14 propostas de atos legislativos novos e revistos em matéria de clima, ambiente e energia, articula-se em torno de uma abordagem revitalizada da tarifação do carbono como elemento central.

A proposta de revisão do Sistema de Comércio de Licenças de Emissão sublinha a abordagem segundo a qual todos os setores devem contribuir para a transição para a neutralidade climática e reafirma os objetivos climáticos da UE para 2030 e 2050 através de uma curva mais rigorosa dos preços do carbono.

As principais questões abordadas no 4.º diálogo a vários níveis sobre clima e energia consagrado ao Sistema de Comércio de Licenças de Emissão foram as seguintes:

  • A tarifação do carbono é um instrumento adequado para orientar a União Europeia para os seus objetivos climáticos a médio e longo prazo?
  • A proposta de revisão do CELE é coerente com as restantes medidas do pacote Objetivo 55 e com outras prioridades da UE, tais como a de assegurar uma transição justa, preservar o capital natural europeu e promover a mobilidade sustentável?
  • Quais são os principais desafios do CELE reforçado e como podem ser superados?
  • Os princípios da subsidiariedade ativa e da governação a vários níveis estão devidamente representados na revisão do CELE?

O diálogo a vários níveis sobre o clima e a energia faz parte da iniciativa « Pacto Ecológico a nível local ». Este diálogo constitui o contributo do CR para a aplicação do «diálogo a vários níveis sobre clima e energia» previsto no Regulamento (UE) 2018/1999 relativo à Governação da União da Energia e da Ação Climática.

A próxima reunião do trabalho do CR sobre o Pacto Ecológico Local terá lugar na quinta-feira, 9 de dezembro de 2021.

Contacto:

David Crous

Tel.: +32 (0) 470 88 10 37

david.crous@cor.europa.eu

Share: