Clique aqui para obter uma tradução automática do texto seguinte.
Autarca de Colónia premiada pela sua excelência e coragem na promoção da liberdade, da solidariedade e da igualdade  

Possible subtitle

O Comité das Regiões Europeu, juntamente com a Rede Internacional de Cidades de Refúgio (ICORN) e a cidade polaca de Gdansk, atribuiu o Prémio Paweł Adamowicz a Henriette Reker, presidente do município de Colónia, pela sua coragem e pelo seu trabalho na promoção da liberdade, da solidariedade e da igualdade.

O prémio, atribuído este ano pela primeira vez, foi criado para preservar o legado de Paweł Adamowicz, tragicamente assassinado em 2019. As nomeações estavam abertas a quaisquer representantes eleitos, funcionários e cidadãos que, apesar dos riscos, estejam empenhados em tornar a democracia mais aberta, eficiente e acolhedora.

O júri distinguiu Henriette Reker pela sua dedicação e pelo seu trabalho extraordinários na promoção da tolerância, da inclusão e da não discriminação dos cidadãos de origem migrante, combatendo o discurso de ódio e a xenofobia e apoiando a integração através de uma série de políticas e de projetos e das posições públicas corajosas e claras que adotou. Ao longo dos últimos vinte anos, enquanto vice-presidente e, desde 2015, como presidente do município de Colónia, tem promovido a diversidade e a solidariedade enquanto elementos essenciais da identidade de Colónia.

Henriette Reker declarou: «É para mim uma honra enorme receber um prémio que celebra a memória de Paweł Adamowicz. Era alguém que acreditava firmemente na liberdade da imprensa e das artes e no direito de todos de exprimirem abertamente a sua opinião numa democracia. Partilhávamos convicções comuns e batemo-nos por elas. Estou grata por ser presidente de um município generoso e aberto, que acolhe os refugiados e quem quer que procure residir numa cidade que adora as suas raízes multiculturais. Embora também enfrentemos problemas graves. Os autarcas de todo o mundo enfrentam desafios como o racismo e o antissemitismo. Uma forma de apoiar as nossas diferentes comunidades é criando referências internacionais como esta, para promover a unidade e resistir a quaisquer tendências de extrema-direita. A violência nunca foi, e nunca será, uma solução. Será sempre o primeiro passo na direção errada. É por isso que temos de defender a paz, o diálogo aberto e a unidade.»

Apostolos Tzitzikostas , presidente do Comité das Regiões Europeu e presidente da região da Macedónia Central, na Grécia, afirmou: «O Prémio Paweł Adamowicz recorda-nos constantemente que a proteção e a promoção da liberdade, da solidariedade e da não discriminação começam a nível local. É aqui, na linha da frente, que temos de proteger a nossa União, os seus princípios e os seus valores. Como primeira vencedora deste prémio, Henriette Reker é recompensada pela sua dedicação à igualdade, à solidariedade e à integração e pelo seu empenho em defender os nossos valores fundamentais comuns.»

Věra Jourová , vice-presidente da Comissão Europeia responsável pelos Valores e Transparência, afirmou:

«Congratulo-me com o facto de este prémio se ter tornado realidade. Apraz-me especialmente que a galardoada, Henriette Reker, presidente do município de Colónia, encarne os princípios da coragem e da excelência na promoção da liberdade, da solidariedade e da igualdade. É conhecida pelo seu empenho na promoção da inclusão, da igualdade e da não discriminação. Não consigo pensar num vencedor melhor para esta primeira edição do prémio.»

Magdalena Adamowicz , eurodeputada e viúva de Paweł Adamowicz, afirmou: «A diversidade não é um problema, é um trunfo! Voltar as costas aos outros não é positivo. Só abrindo-nos a outras culturas e à diferença podemos tornar - nos pessoas melhores» – são palavras de Paweł. Pensemos na história dos municípios, das regiões e dos países mais bem-sucedidos. A sua característica comum é o respeito pela diversidade, liberdade e tolerância, o respeito por todos os seres humanos, uma vez que estes são o motor da economia, da cultura, da ciência e da diversidade culinária. Gdansk é, sem dúvida, uma dessas cidades. Se não queremos perder a democracia, não podemos abandonar sem luta os nossos valores democráticos. Temos de bater-nos por eles, e de restabelecer o seu verdadeiro significado. Paweł compreendia isto, e por isso apoiava tanto a educação cívica. Assim, espero que as próximas edições do Prémio Paweł Adamowicz desenvolvam a educação cívica nos nossos municípios e regiões. Mais uma vez, os meus parabéns a Henriette Reker. Recordemos e demonstremos, no nosso trabalho quotidiano, que sem cooperação não há desenvolvimento económico e social, não há prosperidade e não há cooperação sem confiança e respeito mútuos. Por todos os seres humanos. Era assim que Paweł vivia, e essas atitudes ajudam a promover o seu prémio.»

Aleksandra Dulkiewicz , presidente do município de Gdansk e representante da Rede Internacional de Cidades de Refúgio (ICORN), declarou: «Estou convencida de que Paweł Adamowicz gostaria que convertêssemos as emoções desencadeadas pela sua morte em ações quotidianas e continuadas. Ações que ajudem o próximo. Pequenos gestos: um aceno, um sorriso ou uma palavra simpática que, se reproduzidos mil vezes, farão a diferença no bom sentido. Penso que este seria o melhor e maior monumento que alguma vez poderemos erguer em memória de Paweł Adamowicz. Henriette Reker, presidente do município de Colónia e vencedora da primeira edição do Prémio Paweł Adamowicz, graças ao seu empenho em defender os interesses dos habitantes de Colónia e à sua coragem em lutar contra a intolerância, o ódio e a xenofobia, é justamente uma pessoa que encarna os valores pelos quais o presidente do município de Gdansk deu a sua vida.

O presidente da República Francesa, Emmanuel Macron, em discurso proferido no Comité das Regiões Europeu em dezembro, aplaudiu a criação do prémio por defender os valores em que a União Europeia se funda. Emmanuel Macron salientou que o respeito pelos valores da dignidade humana, da liberdade, da democracia, da igualdade, do Estado de direito e dos direitos humanos, incluindo os direitos das pessoas pertencentes a minorias, é essencial e que todos esses valores formam um todo indissociável. São os valores pelos quais Paweł Adamowicz viveu e pelos quais, infelizmente, morreu, afirmou o presidente Macron.

Contexto

  • Em 2015, Henriette Reker sobreviveu a um ataque à faca motivado pelo seu empenho em ajudar as comunidades migrantes e a sua integração. Este ato de violência não a dissuadiu de continuar a pugnar pelos mesmos valores na sua vida pública e nas políticas e projetos que tem defendido.

  • Colónia tem uma população de 1 089 984 pessoas, das quais 426 646 são de origem migrante, incluindo 212 191 residentes estrangeiros de 184 nações. A cidade de Colónia acolhe cerca de 6 000 refugiados. Há 130 comunidades religiosas distintas em Colónia, das quais 26 estão representadas no Conselho das Religiões, uma associação voluntária que promove o diálogo inter-religioso.

  • Paweł Adamowicz foi esfaqueado em 13 de janeiro de 2019 quando discursava num evento de beneficência. Faleceu no dia seguinte devido aos ferimentos. Tinha 53 anos. Antes do seu homicídio, foi alvo de um discurso de ódio crescente. A sua morte desencadeou um debate sobre o impacto que a degeneração do discurso público tem na violência, no extremismo, na propaganda e na intolerância. As suas últimas palavras, imediatamente antes de ser atacado, foram: «Gdansk é generosa, Gdansk partilha o bem, Gdansk quer ser uma cidade solidária. Este é um momento maravilhoso para partilhar o bem. Vocês são amados. Gdansk é a cidade mais maravilhosa do mundo. Obrigado!»

  • Paweł Adamowicz empenhou-se na promoção dos valores fundamentais da UE e foi membro ativo do Comité das Regiões Europeu. Em 2016, após um encontro com o Papa Francisco, Paweł Adamowicz lançou o «Modelo de Integração dos Imigrantes» de Gdansk, que inspirou outros municípios polacos.

  • O Comité das Regiões Europeu, enquanto assembleia dos representantes políticos locais e regionais da UE, por iniciativa da delegação polaca, adotou por unanimidade, em 7 de fevereiro de 2019, uma resolução que condena os discursos de ódio e as ameaças de todos os tipos contra dirigentes políticos.

  • A Rede Internacional de Cidades de Refúgio (ICORN) é uma organização internacional composta por 75 municípios e regiões da Europa e não só. Oferece refúgio seguro a escritores e artistas perseguidos, promove a liberdade de expressão, defende os valores democráticos e fomenta a solidariedade internacional. A mais de 250 escritores e artistas foi oferecido refúgio numa cidade da ICORN. Em segurança, continuam a desempenhar um papel essencial, destacando as violações dos direitos humanos e da liberdade de expressão cometidas nos seus países de origem, bem como apoiando os colegas que permanecem nesses países. Paweł Adamowicz integrou o município de Gdansk na ICORN em 30 de agosto de 2017.

Prémio Paweł Adamowicz – Sítio Web : #AdamowiczAward

Regras e regulamentos do prémio, critérios de elegibilidade, critérios de seleção

Sítio Web com informações sobre Paweł Adamowicz e o aniversário do seu assassinato

Presidente do município de Colónia declarada vencedora da primeira edição do Prémio Paweł Adamowicz

Contacto:

Comité das Regiões Europeu

Wioletta Wojewodzka

Tel.: +32 (0)2 282 2289

Tlm.: +32 (0)473 843 986

wioletta.wojewodzka@cor.europa.eu

Município de Gdansk

Maciej Buczkowski

Tel.: + 48 58 323 62 84

maciej.buczkowski@gdansk.gda.pl

Rede Internacional de Cidades de Refúgio

Helge Lunde

Tel.: + 47 99582488

helge@icorn.org

Partilhar: