Clique aqui para obter uma tradução automática do texto seguinte.
Líderes locais oferecem-se para ajudar processo de vacinação ‎ e reclamam adoção até ao verão de novas medidas de proteção das economias regionais  

Em debate com a comissária europeia da Saúde, os membros do CR defenderam a reforma das competências da UE em matéria de saúde e um maior papel para o poder local e regional em função das suas competências

Os líderes locais e regionais da UE alertaram para o impacto catastrófico que a não abertura das fronteiras até ao verão teria nas economias regionais. Durante o debate com a comissária europeia da Saúde e Segurança Alimentar, Stella Kyriakides , os membros do Comité das Regiões Europeu (CR) afirmaram que a UE e os Estados-Membros envidaram esforços para assegurar a vacinação, evitando uma «guerra de vacinas» entre países, mas a ausência de um quadro jurídico claro da UE levara a erros que terão de ser evitados no futuro. Ofereceram o seu apoio para combater a falta de confiança nas vacinas e acelerar a vacinação, acrescentando que os certificados de vacinação são um passo na direção certa, mas não uma panaceia universal.

A presença da comissária Stella Kyriakides, que interveio na reunião plenária, constituiu uma oportunidade para debater a atual repartição das competências no domínio da saúde entre a UE, os Estados-Membros e o poder local e regional. No contexto da Conferência sobre o Futuro da Europa , os membros do CR defenderam que essas competências fossem revistas, dadas as deficiências na gestão da pandemia de COVID-19, a fim de melhorar a preparação e a coordenação entre todos os intervenientes. Exortaram a UE e os Estados-Membros a assegurar que o importante papel dos órgãos de poder local e regional nas crises sanitárias seja devidamente tido em conta, uma vez que são essenciais para o desenvolvimento de sistemas de saúde mais resilientes e eficazes em toda a Europa. O CR mostrou-se disposto a participar no debate sobre a «União da Saúde», com base nas competências conferidas por lei aos órgãos de poder local e regional e nas responsabilidades políticas dos líderes regionais e locais.

No seu discurso a abrir o debate, Apostolos Tzitzikostas , presidente do CR e presidente da região da Macedónia Central, afirmou que «sem solidariedade, teria rebentado uma guerra europeia pelas vacinas, deixando muitos países, municípios e regiões desamparados. Entretanto, as pessoas querem regressar à normalidade, e temos de reabrir a Europa de forma segura até ao verão. Um certificado de vacinação contra a COVID-19 para os viajantes é um passo em frente, embora não seja uma panaceia universal. Esta terrível doença demonstrou que precisamos de mais Europa no domínio da saúde para estarmos mais bem preparados no futuro e que todos os níveis de governo, do nível internacional aos níveis local e regional, têm um papel fundamental a desempenhar. O nosso Comité está disposto a debater sobre a União da Saúde, com base nas nossas competências locais e regionais e de harmonia com os princípios da subsidiariedade e da proporcionalidade. Só juntos poderemos fazer melhor e produzir resultados mais rápidos. Reforçar a capacidade dos governos locais e regionais permite corrigir os problemas da campanha de vacinação e preparar mais aberturas de fronteiras até ao verão.»

A comissária Stella Kyriakides e os membros do CR também debateram um pacote de medidas no domínio da saúde desenvolvidas desde o início da pandemia, o Programa UE pela Saúde , a Diretiva Cuidados de Saúde Transfronteiriços e um sistema de gestão das emergências sanitárias. O CR emitiu três recomendações sobre os três temas em outubro passado.

Birgitta Sacrédeus (SE-PPE), membro da Assembleia Regional de Dalarna e relatora do CR sobre o mecanismo de emergência sanitária da UE , afirmou: «É ótimo que os apelos do CR no sentido de um mecanismo de emergência sanitária da UE estejam a ser concretizados, através da Autoridade da UE de Preparação e Resposta a Emergências Sanitárias . A resiliência depende da preparação, e para isso, precisamos de estruturas sólidas de cooperação e linhas de comunicação eficazes. Estou confiante de que a Autoridade de Resposta a Emergências Sanitárias pode ajudar os municípios, as cidades e a regiões a enfrentar as futuras pandemias e a evitar as tragédias do ano passado. Porém, o papel decisivo que os órgãos de poder local e regional desempenham em situações de crise como a atual deve ser plenamente tido em conta.»

Referindo-se ao Programa UE pela Saúde , aprovado pelo Parlamento Europeu em 9 de março, a relatora do CR, Nathalie Sarrabezolles (FR-PSE), presidente da Assembleia do Departamento de Finisterra, declarou na plenária: «Os 5,1 mil milhões de euros do Programa UE pela Saúde combaterão a desigualdade na saúde, assegurarão que a medicina é acessível, reforçarão os nossos sistemas de saúde e aumentarão a cooperação entre países. Os líderes locais e regionais bateram-se arduamente para obterem financiamento adequado e, com o nosso apoio, o Parlamento Europeu conseguiu superar a relutância perigosa e injustificada dos Estados-Membros em financiar devidamente os programas e as ajudas ao nível da UE. Continuaremos a reclamar mais atenção e apoio para o trabalho das regiões e dos municípios na prestação dos cuidados de saúde.»

Karsten Uno Petersen (DK-PSE), membro da Assembleia Regional da Dinamarca do Sul e relator do CR sobre os cuidados de saúde transfronteiriços , afirmou: «A possibilidade de beneficiar de cuidados de saúde noutro país salvou muitas vidas nesta crise. Assim, é de louvar que o Programa UE pela Saúde, a iniciativa emblemática a longo prazo da UE no domínio da saúde, reconhece que a cooperação transfronteiriça pode aumentar consideravelmente a eficiência dos sistemas de saúde. Importa agora garantir que os Estados-Membros e o Parlamento Europeu convertam este reconhecimento em medidas concretas, simplificando o acesso à saúde na revisão da Diretiva Cuidados de Saúde Transfronteiriços.»

A próxima vez que os membros do CR debaterão o processo de vacinação e o certificado de vacinação normalizado da UE (designado «certificado verde digital» pela Comissão Europeia ) será em 22 de março, na reunião da Comissão dos Recursos Naturais (NAT).

Contexto

Contacto:

Andrew Gardner

+32 473 943 981

andrew.gardner@cor.europa.eu