Clique aqui para obter uma tradução automática do texto seguinte.
A UE tem de capacitar as suas regiões e municípios para defenderem os direitos fundamentais e o Estado de direito  

Oito semanas antes das eleições europeias, os dirigentes regionais e locais alertaram para o facto de o populismo crescente constituir uma ameaça para o Estado de direito e os direitos fundamentais da UE. Afirmaram que a UE tem de continuar a capacitar as regiões e os municípios, que estão na linha da frente no combate ao racismo, ao discurso de ódio e à discriminação, promovendo simultaneamente a coesão social. Foi esta a mensagem principal durante o debate de hoje com Koen Lenaerts, presidente do Tribunal de Justiça da União Europeia, Frans Timmermans, primeiro vice-presidente da Comissão Europeia, Domenica Ghidei Biidu, vice-presidente da Comissão Europeia contra o racismo e a intolerância junto do Conselho da Europa, e Michael O'Flaherty, diretor da Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia.

Karl-Heinz Lambertz , presidente do Comité das Regiões Europeu, declarou que «devido à sua proximidade aos cidadãos, os municípios e as regiões desempenham um papel fundamental na promoção e no respeito dos valores europeus. Eles estão na linha da frente quando se trata de proteger os grupos vulneráveis, adotando medidas em domínios como a educação, a liberdade de associação e de expressão e as políticas sociais. No quadro das eleições europeias, a nossa assembleia dos órgãos de poder local e regional gostaria de relembrar que o respeito dos direitos fundamentais não é apenas um princípio inscrito nos nossos Tratados e Cartas. É essencial preservar a nossa democracia europeia garantindo a participação, a representação e a proteção de todos os cidadãos».

Koen Lenaerts , presidente do Tribunal de Justiça da União Europeia, salientou que «a União Europeia assenta nos valores do respeito pelos direitos fundamentais, da democracia e do Estado de direito, que conferem legitimidade ao projeto europeu. O Estado de direito não tem procedência sem democracia e direitos fundamentais. A Carta dos Direitos Fundamentais está no topo da hierarquia das normas da UE. Todas as medidas nacionais incompatíveis com a Carta devem ser anuladas».

Frans Timmermans , primeiro vice-presidente da Comissão Europeia, afirmou que «os direitos fundamentais continuarão a ser uma realidade apenas no papel se a sua proteção não for assegurada por tribunais independentes. O Estado de direito não é só importante a nível nacional, é fundamental a todos os níveis de governo, incluindo aos níveis local e regional. Infelizmente, nos últimos anos temos assistido à multiplicação das preocupações com o Estado de direito em toda a União. Esta evolução convenceu ainda mais a Comissão da importância de utilizar todos os instrumentos que temos para defender os valores da UE».

Em 3 de abril, a Comissão Europeia adotou uma comunicação sobre prosseguir o reforço do Estado de direito no seio da União .

Nota às redações

Assista aqui ao debate na íntegra

Leia aqui a Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia

Contacto: David Crous | david.crous@cor.europa.eu

Partilhar: