Clique aqui para obter uma tradução automática do texto seguinte.
Reforçar o empreendedorismo dos jovens e das mulheres na região euro - mediterrânica  
Empresa de moda líbia ganha o Prémio de Empreendedorismo Local dos Jovens no Mediterrâneo

Em 26 de fevereiro de 2019, uma empresa têxtil e de moda líbia foi galardoada com o Prémio de Empreendedorismo Local dos Jovens no Mediterrâneo. O prémio foi entregue durante a reunião plenária da Assembleia Regional e Local Euro-Mediterrânica (ARLEM) realizada em Sevilha, onde 100 dirigentes locais e regionais se reuniram para debater formas de promover o empreendedorismo dos jovens, capacitar as mulheres, melhorar a governação, reforçar a cooperação entre municípios e gerir as migrações.

O prémio foi atribuído à Zimni Jdeed , uma empresa têxtil e de moda sediada em Trípoli que está a reinventar com grande sucesso o vestuário tradicional. A jovem empresária Najway Altahir Mohammed Shukri e o seu irmão Ali criaram a empresa há três anos. Atualmente empregam seis costureiras, oferecendo um ambiente de trabalho digno para as mulheres. A primeira edição do prémio da ARLEM recebeu 24 candidaturas de nove países.

Karl-Heinz Lambertz, presidente do Comité das Regiões Europeu , elogiou o vencedor e declarou que «existe em toda a região mediterrânica um desejo de mais cooperação e de libertação do enorme potencial da região. Ao capacitar todos os jovens, independentemente do género, podemos fomentar o empreendedorismo e criar novos postos de trabalho. Através da cooperação descentralizada, estamos a aprofundar a integração da região, superando desafios que transcendem fronteiras, como as migrações e a exclusão social, e assegurando um desenvolvimento sustentável».

Lahcen Amrouch, presidente do município de Argana , em Marrocos, e representante do copresidente da ARLEM Mohamed Boudra na reunião, salientou que «o empreendedorismo dos jovens é uma prioridade da ARLEM. Por esta razão, lançámos o prémio da ARLEM para promover o empreendedorismo dos jovens e dar visibilidade aos que não desistem perante os obstáculos à criação de um novo negócio. Exortamos os governos nacionais a simplificarem a legislação comercial, a reduzirem os encargos administrativos e fiscais e a criarem incubadoras de empresas e programas de microcrédito para reforçar o empreendedorismo dos jovens».

Nasser Kamel, secretário-geral da União para o Mediterrâneo , declarou que «o trabalho da Assembleia Regional e Local Euro-Mediterrânica é extraordinariamente importante. A Assembleia representa a população da região euro - mediterrânica, mais de 800 milhões de cidadãos que necessitam do nosso empenho e de compromissos no sentido de promover o diálogo e a cooperação. Representando a dimensão territorial da União para o Mediterrâneo, a ARLEM deve contribuir para a definição das prioridades e para o reforço da visibilidade do trabalho e das atividades que realizamos, aproximando a parceria euro-mediterrânica dos interesses e das expectativas dos seus cidadãos».

A delegação de 100 participantes de 19 países membros visitou La Cartuja, em Sevilha, local da Exposição Universal de 1992, que foi reconvertido num parque empresarial e numa incubadora com 450 empresas e 17 000 trabalhadores. O presidente do município de Sevilha, Juan Espadas Cejas (ES-PSE) , afirmou que «o conselho municipal exerceu novas competências para combater o desemprego, focando-se na formação e na melhoria da empregabilidade dos jovens. Sevilha dispõe de um capital humano de grande valor. O empreendedorismo está no código genético da nossa cidade. É por isso que me apraz particularmente que a nossa cidade tenha acolhido a primeira cerimónia de atribuição do prémio da ARLEM».

Durante a reunião da ARLEM, foi adotado um relatório sobre o empreendedorismo dos jovens no Mediterrâneo , que apela ao reforço dos programas de apoio ao empreendedorismo dos jovens, tais como o MedUP! , o Med4jobs e o Next Society , a fim de promover o desenvolvimento económico na costa sul do Mediterrâneo. De acordo com o relatório, a UE deve lançar programas para dar aos jovens empresários do Norte de África e do Médio Oriente a oportunidade de receberem formação de empresários experientes num dos 28 Estados-Membros da UE.

O relator, Olgierd Geblewicz (PL-PPE), presidente da região da Pomerânia Ocidental , afirmou que «é preciso promover o empreendedorismo dos jovens para revitalizar as comunidades locais, criar novos postos de trabalho, impulsionar o crescimento económico e melhorar o bem-estar social. Apelamos à UE, às Nações Unidas e aos governos nacionais de toda a região euro-mediterrânica para que criem programas de formação profissional e desenvolvam programas de microcrédito para jovens empresários. Os órgãos de poder local e regional devem participar plenamente nas políticas de emprego e do mercado de trabalho, uma vez que estão mais bem posicionados para executar programas que correspondam às necessidades das suas comunidades».

Também foi aprovado um relatório sobre a governação e a transparência no Mediterrâneo , elaborado por Lütfü Savas , presidente do município de Hatay, na Turquia. O documento apela a uma maior descentralização na região como uma das formas de resolver a atual falta de confiança nos poderes públicos. A capacitação dos governos locais permite que os cidadãos participem mais ativamente na tomada de decisões. A ARLEM defende orçamentos mais elevados e competências de cobrança de impostos para os governos locais, com vista a investir em novos projetos em domínios prioritários.

Realizou-se ainda um seminário sobre migração, coorganizado pela Conferência das Regiões Periféricas Marítimas da Europa (CRPM) e pela Associação das Regiões Fronteiriças Europeias (ARFE), que incidiu principalmente sobre o papel dos órgãos de poder local e regional no acolhimento e na integração de migrantes.

Debateu-se também a iniciativa de Nicósia , um programa de cooperação descentralizada entre autarcas da UE e da Líbia. Na sequência do êxito dos programas de intercâmbio no domínio da pesca sustentável com a região de Friul - Venécia Juliana e no domínio da gestão de recursos hídricos com Múrcia, a ARLEM tenciona alargar a iniciativa de Nicósia, prevendo mais fundos e mais programas de intercâmbio, e acolheu novos parceiros, como a Junta da Galiza e o município de Sevilha.

Nota às redações:

O Comité das Regiões Europeu criou a ARLEM em 2010 para permitir que os dirigentes eleitos das três margens do Mediterrâneo estejam representados junto da UE e da União para o Mediterrâneo (UM), bem como para manter um diálogo político e promover a cooperação inter-regional. A ARLEM é composta por 80 membros e dois observadores da UE e dos seus parceiros do Mediterrâneo. É copresidida pelo presidente do CR, Karl-Heinz Lambertz, e por Mohamed Boudra, presidente do município marroquino de Al Hoceima e da Associação de Presidentes dos Conselhos Municipais de Marrocos (AMPCC). A União para o Mediterrâneo, fundada em 2008, é uma organização intergovernamental sediada em Barcelona na qual estão representados 43 países, incluindo os 28 Estados-Membros da UE.

Sobre o prémio da ARLEM: ver o vídeo aqui.

Ver o vídeo de apresentação do vencedor do prémio da ARLEM em 2019.

Contacto:

David Crous | david.crous@cor.europa.eu | +32 (0)470 88 10 37