Clique aqui para obter uma tradução automática do texto seguinte.
COP 24: Municípios e regiões continuarão a insistir na necessidade de objetivos mais ambiciosos em prol do clima  
O Comité das Regiões Europeu reitera a necessidade imperativa de perseguir objetivos nacionais mais ambiciosos em matéria de clima, embora se congratule com o conjunto de regras de Paris, que lança as bases do reforço da governação do clima a vários níveis.

Cumpriu-se o principal objetivo das conversações da COP 24 sobre o clima: acordar um conjunto comum de regras para pôr em prática o Acordo de Paris em 2020. No entanto, como demonstra o relatório do PIAC sobre o impacto de um aquecimento global de 1,5 ºC , o nível de ambição nesta matéria terá de aumentar significativamente para inverter a tendência alarmante de aquecimento global. Em Katowice, o Comité das Regiões Europeu (CR) associou-se ao apelo lançado pelas redes de governos locais em todo o mundo para reconhecer um papel formal dos municípios e das regiões no Acordo de Paris. O conjunto de regras adotado lança as bases do reforço da ação a vários níveis em prol do clima e para uma cooperação mais estreita entre as autoridades nacionais e os órgãos de poder local e regional. Além disso, convida os governos nacionais a ter em consideração os contributos dos Diálogos de Talanoa, entre os quais o apelo do CR para que a Comissão inclua os órgãos de poder local e regional na elaboração das estratégias e dos planos de ação nacionais em matéria de clima. Clique aqui para um resumo das atividades e das declarações dos membros do CR na COP 24 .

No sábado, 15 de dezembro, num esforço sem precedentes para dar uma resposta coletiva ao problema das alterações climáticas ao nível mundial, as partes na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (CQNUAC) adotaram o chamado «conjunto de regras de Paris», uma série de disposições e orientações para aplicar na prática do Acordo de Paris a partir de 2020, nomeadamente em matéria de transparência, de financiamento da ação climática e de atenuação e adaptação às alterações climáticas.

O conjunto de regras de Paris convida as partes a ter em consideração os resultados dos Diálogos de Talanoa na elaboração dos seus contributos determinados ao nível nacional (CDN) e nos seus esforços para intensificar a concretização do acordo e aumentar os níveis de ambição antes de 2020. A inclusão deste ponto no conjunto de regras de Paris foi abordada e defendida por Cor Lamers (NL-PPE), presidente da Comissão ENVE do CR e presidente do município de Schiedam , nas presidências da COP 23 e COP 24, por ocasião da sessão de encerramento dos Diálogos de Talanoa , em 12 dezembro.

O conjunto de regras de Paris constitui um resultado concreto para os municípios e as regiões em todo o mundo que lança as bases do reforço da governação do clima a vários níveis, na medida em que convida os governos nacionais a cooperar com os órgãos de poder local e regional na elaboração dos seus CDN, bem como das estratégias e planos de ação em matéria de clima. Entre os contributos dos Diálogos de Talanoa que o conjunto de regras de Paris recomenda aos governos nacionais figura o apelo do CR para que os intervenientes infranacionais sejam plenamente associados à elaboração das políticas climáticas e à concretização dos contributos determinados ao nível nacional.

Markku Markkula (FI-PPE), primeiro vice-presidente do CR : «É evidente que os governos nacionais de todo o mundo não conseguiram aumentar suficientemente o seu nível de ambição em matéria de clima, mas o acordo de Katowice não deixa, por isso, de representar um ponto de viragem nos nossos esforços coletivos para vencer a luta contra o aquecimento global. Não podemos, portanto, desvalorizar o feito assinalável que é ter-se chegado a acordo sobre as orientações comuns para a execução do Acordo de Paris. Além disso, não nos podemos dar por satisfeitos, cumprindo criar rapidamente mecanismos de mercado e mecanismos de financiamento adaptados que contribuam para a redução das emissões globais. É incontestável que os órgãos de poder local e regional têm uma voz cada vez mais audível nas conversações internacionais sobre o clima. Pela primeira vez, a COP 21 reconheceu explicitamente o contributo decisivo dos municípios e das regiões na luta contra as alterações climáticas. Três anos volvidos, o conjunto de regras de Paris convida as partes a associarem mais estreitamente os intervenientes infranacionais à conceção e execução das suas estratégias ambientais. Trata-se de um êxito inegável, e estamos confiantes de que a cooperação a vários níveis se tornará progressivamente mais eficaz à medida que o Acordo de Paris é executado.»

Cor Lamers (NL-PPE), presidente da Comissão ENVE e presidente do município de Schiedam , afirmou: «O Comité das Regiões Europeu regozija-se com a perspetiva de colaborar mais estreitamente com as partes, tal como demonstrado ao longo dos Diálogos de Talanoa, a fim de construir uma parceria mais sólida para uma ação a vários níveis que se reflita nas decisões futuras. Esperamos que o conjunto de regras de Paris promova a participação dos órgãos de poder local e regional na elaboração dos CND, nomeadamente no âmbito do próximo balanço mundial das medidas de combate às alterações climáticas em 2019. Ainda precisamos de chegar a acordo sobre o modo de desenvolver mercados do carbono justos e flexíveis para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa de forma eficaz em termos de custos e explorar uma eventual taxa sobre o carbono como forma de incentivar os investidores e os consumidores a optarem por soluções com menos emissões de carbono. Juntos, podemos otimizar o potencial da tão necessária transição para as energias limpas. Através de iniciativas emblemáticas como o Pacto Global de Autarcas , os órgãos de poder local e regional continuarão não só a dar respostas concretas no terreno como também a pressionar para que se envidem esforços mais ambiciosos em prol do clima.»

Andrew Cooper (UK-AE), membro do Conselho Distrital de Kirklees do Reino Unido e relator do parecer do CR sobre a governação do clima pós-2020 , declarou: «Congratulamo-nos com o apelo direto às partes para que considerem as propostas incluídas nos Diálogos de Talanoa , já que estas abrem a porta aos contributos infranacionais para a elaboração dos inventários, estratégias e planos de ação nacionais em matéria de clima. Mantemos, no entanto, o nosso apelo firme para se integrar formalmente os contributos determinados a nível regional e local (CDRL), a fim de assegurar a plena participação dos intervenientes infranacionais na elaboração e execução das políticas climáticas, designadamente os CDN.»

O apelo para que o conjunto de regras de Paris preveja contributos determinados a nível regional e local (CEDRL) em complemento aos compromissos assumidos ao nível nacional tem vários objetivos: reconhecer um papel formal aos municípios e regiões na execução do Acordo de Paris, responsabilizar mais os níveis local e regional de governo pela luta contra as alterações climáticas, melhorar a exatidão dos dados necessários para o processo de balanço mundial e contribuir para colmatar as atuais disparidades nas emissões .

O próximo balanço mundial da luta contra as alterações climáticas está previsto para 2019. O balanço mundial é um processo através do qual se avalia os progressos coletivos no sentido de concretizar o Acordo de Paris e atingir os seus objetivos a longo prazo. Leva em conta a atenuação das alterações climáticas e a adaptação às mesmas, assim como o financiamento e o apoio à execução do acordo.

As cidades são responsáveis por 70% das emissões de gases com efeito de estufa ao nível mundial, enquanto os governos locais são responsáveis por mais de 70% das medidas de redução das alterações climáticas e até 90% das medidas de adaptação às mesmas.

Para incentivar a ação climática nas zonas urbanas, a edição de 2019 do Fórum do Comité Permanente de Finanças da CQNUAC de 2019 centrar-se-á no financiamento da luta contra as alterações climáticas e nas cidades sustentáveis.

A COP 24 não conseguiu chegar a acordo sobre as regras mundiais para mecanismos de mercado como os mercados de carbono, um instrumento para diminuir os custos da redução das emissões. O debate sobre a forma de aplicar na prática os mecanismos de mercado prosseguirá no próximo ano, prevendo-se a adoção de orientações mundiais na COP 25, a realizar no Chile, de 11 a 22 de novembro de 2019.

Contexto:

A delegação do CR na COP 24 é composta por Markku Markkula (FI-PPE) , primeiro vice-presidente do CR e presidente do Conselho Municipal de Espoo, Cor Lamers (NL-PPE ), presidente da Comissão ENVE do CR e presidente do município de Schiedam, Valter Flego (HR-ALDE) segundo vice-presidente da Comissão ENVE do CR e presidente do distrito de Istra, Andrew Cooper (UK-AE) , coordenador do Grupo da AE na Comissão ENVE do CR, relator do parecer do CR sobre a governação do clima pós-2020 e membro do Conselho Distrital de Kirklees do Reino Unido, Marco Dus (IT-PSE) , relator do parecer do CR sobre o financiamento da luta contra as alterações climáticas e membro do Conselho Municipal de Vittorio Veneto, Sirpa Hertell (FI-PPE) , relatora do parecer do CR sobre a estratégia da UE de adaptação às alterações climáticas e membro do Conselho Municipal de Espoo, Andres Jaadla (EE-ALDE ), coordenador do Grupo da ALDE na Comissão ENVE do CR e membro do Conselho Municipal de Rakvere, Daiva Matonienė (LT-CRE) , coordenadora do Grupo dos CRE na Comissão ENVE do CR e membro do Conselho Distrital de Šiauliai e André Van De Nadort (NL-PSE) , coordenador do Grupo do PSE na Comissão ENVE do CR e presidente do município de Weststellingwerf.

Clique aqui para um resumo das atividades e das declarações dos membros do CR na COP24.

Veja aqui as fotografias da delegação do CR na COP 24

Mensagens políticas do CR e delegação à COP 24

Brochura da COP 24 sobre boas práticas

Contributos determinados a nível local e regional

Embaixadores do CR do Pacto de Autarcas

Os Diálogos de Talanoa foram lançados no ano passado pela Presidência fijiana da COP 23, enquanto quadro global facilitador do diálogo tendo em vista fazer o balanço dos esforços envidados coletivamente pelos governos infranacionais, pela sociedade civil e pelas empresas para atenuarem as alterações climáticas, a fim de melhorar a tomada de decisões em matéria de clima ao nível das Nações Unidas.

O conjunto de regras do Acordo de Paris contém as modalidades e orientações específicas para a execução do histórico acordo mundial adotado em 2015, e abrange todos os domínios fundamentais, como a transparência, o financiamento, a atenuação e a adaptação. Entre os principais resultados da COP 24 destacam-se:

o primeiro sistema universal que permite às partes acompanhar e comunicar os progressos realizados em matéria de ação climática e que proporciona flexibilidade aos países que dela realmente necessitam. O sistema incentivará todas as partes a melhorar as suas práticas ao longo do tempo e a comunicar os progressos alcançados em termos claros e comparáveis;

um resultado positivo e consensual sobre as questões ligadas à adaptação. As partes dispõem agora de orientações e de um registo para comunicar as medidas adotadas no domínio da adaptação aos impactos das alterações climáticas.

Quanto ao processo de balanço mundial, convida-se as partes a avaliarem periodicamente os progressos realizados e o nível de ambição com base nos mais recentes dados científicos disponíveis.

Por último, através das decisões em matéria de financiamento e de tecnologia, dispomos de um pacote de medidas sólido que, segundo a UE, deverá dar garantias aos nossos parceiros sobre o nosso empenho na solidariedade e no apoio contínuos ao nível mundial ( CE ).

Leia aqui os comunicados de imprensa da CQNUAC – COP 24 Comunicado de imprensa

Contacto: David Crous | david.crous@cor.europa.eu | +32 (0) 470 88 10 37

Share: