Clique aqui para obter uma tradução automática do texto seguinte.
Alterações climáticas: são precisas mais ambição e uma nova governação para implementar o Acordo de Paris  
Os municípios e as regiões exortam a UE a ser mais ambiciosa, a reforçar o investimento local em matéria de clima e a propor uma mudança de governação a fim de associar formalmente o poder local

A cinco meses das negociações sobre o clima no âmbito da COP 24 , em Katowice, Polónia, o Comité das Regiões Europeu (CR) realizou um debate de alto nível sobre a ação climática. Os líderes locais e regionais da UE adotaram o Parecer – Governação do clima pós-2020 , que define a sua posição sobre a aplicação na prática do Acordo de Paris – o chamado «conjunto de regras de Paris». Sem a participação formal dos governos locais e regionais, continuará a haver uma inadequação entre os compromissos em matéria de clima e os progressos necessários para manter o aumento da temperatura substancialmente abaixo dos 2 ºC. O CR apoiou a proposta do relator Andrew Cooper (UK-AE) no sentido de colmatar as lacunas ao nível das emissões através de contributos determinados a nível local.

Abrindo o debate realizado em Bruxelas, e referindo-se às metas da UE em matéria de energia e clima para 2030 , recentemente adotadas, o presidente do CR, Karl-Heinz Lambertz , declarou: «A UE continua a ser líder no combate às alterações climáticas, mas se não definirmos metas mais ambiciosas, se não investirmos mais a nível local e se não houver mudanças radicais na governação do clima, não poderemos cumprir os compromissos assumidos em Paris. Ao nível tanto das Nações Unidas como da UE, precisamos urgentemente de uma nova governação do clima, com estruturas permanentes, que integre os pontos de vista, as soluções e os contributos dos municípios e das regiões.»

O comissário europeu responsável pelo Clima e Energia, Miguel Arias Cañete , afirmou: «Os diálogos a vários níveis sobre o clima e a energia que os Estados-Membros têm de organizar para elaborar os planos de ação nacionais em matéria de energia constituem uma oportunidade para os órgãos de poder local e regional influenciarem a evolução da União da Energia. As novas metas da UE significam que podemos aumentar o nosso nível de ambição na redução das emissões de CO 2 dos atuais 40% para pouco mais de 45% até 2030. Dessa forma, a UE estará numa posição forte na próxima Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas, em Katowice. Precisamos de um quadro de governação forte e transparente para o Acordo de Paris, e o diálogo e a participação dos municípios e regiões são essenciais.»

Quanto aos aspetos financeiros, Miguel Arias Cañete salientou que são necessários investimentos anuais de 379 mil milhões de euros entre 2021 e 2030 e recordou que 25% das despesas da UE no mesmo período se centram nos objetivos em matéria de clima. O comissário espanhol apresentou sucintamente os principais programas financeiros da UE que apoiam a ação climática, a saber, o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, o Fundo de Coesão, o Mecanismo Interligar a Europa, o Programa InvestEU, o Programa Horizonte Europa (dotado de 15 mil milhões de euros para o clima, a energia e a mobilidade) e o novo Subprograma Transição para Energias Limpas, proposto no quadro do LIFE e com uma dotação de mil milhões de euros. Para apoiar as regiões mais vulneráveis, a UE adotou programas específicos como a Plataforma para as Regiões Carboníferas em Transição e o Energia Limpa para as Ilhas da UE

Tomasz Chruszczow, enviado especial para as alterações climáticas e paladino do clima de alto nível da Polónia , declarou: «Os municípios e as regiões têm um papel verdadeiramente determinante. O Acordo de Paris sobre o clima só pode ser bem-sucedido se for implementado por todas as partes: todos os países, todos os municípios e regiões, empresas, comunidades e indivíduos. O lema da Presidência polaca para a COP 24 é “Mudar em conjunto”. Esperamos que os nossos esforços conjuntos possam ocasionar as mudanças de que precisamos.»

No seguimento dos objetivos acordados em Paris em 2015, Katowice deverá produzir as orientações e as condições para a consecução do objetivo de manter o aumento da temperatura mundial substancialmente abaixo dos 2 ºC. Um aspeto essencial é o quadro de transparência, que deverá incluir a forma como os países acompanham e comunicam os progressos na redução das emissões, o que é essencial para promover a confiança entre a comunidade internacional.

Andrew Cooper, membro do Conselho Distrital de Kirklees e relator do Parecer – Governação do clima pós-2020 , afirmou: «Desde a adoção do Acordo de Paris, temos assistido a uma promoção do papel do poder local e regional nas negociações mundiais sobre o clima. É chegada a altura de reconhecer a governação a vários níveis e de formalizar o papel do poder local e regional na governação mundial do clima. Os contributos determinados a nível nacional estão aquém dos objetivos do Acordo de Paris de manter o aumento da temperatura substancialmente abaixo dos 2 ºC, quanto mais dos 1,5 ºC. Propomos um sistema de contributos determinados a nível local e regional, a fim de complementar os contributos nacionais. Os municípios e as regiões são não só os mais capazes de colmatar a lacuna em matéria de emissões como também os mais bem posicionados para demonstrar que é possível ser mais ambicioso.»

Ashok-Alexander Sridharan, presidente do município de Bona e presidente do ICLEI , observou que «os municípios e as regiões estão na vanguarda da ação climática. A Cimeira dos Líderes Locais e Regionais sobre o Clima realizada em Bona no ano passado enviou uma mensagem clara à comunidade internacional: apoiamos ações mais ambiciosas e rápidas para implementar o Acordo de Paris. O conjunto de regras de Paris deverá incluir um sistema em que a redução das emissões dos municípios e das regiões contribuam para os programas nacionais de monitorização. Temos de assegurar que os contributos determinados a nível local sejam visíveis no conjunto de regras de Paris. »

Mariusz Skiba , vice-presidente do município de Katowice , afirmou: «O objetivo de Katowice para a COP 24 é demonstrar de que forma uma cidade pode atravessar um processo de reestruturação profunda num período limitado. Historicamente, Katowice sempre esteve associada à extração de carvão e à engenharia pesada, tal como toda a região da Silésia. Os processos de revitalização e de reindustrialização contribuíram ambos para converter Katowice numa cidade acolhedora e verdadeiramente verde, especializada agora em tecnologias intensivas de desenvolvimento, nos serviços às empresas, no setor bancário, nas universidades e no turismo. Queremos mostrar essas mudanças a todos.»

Hoje em dia, há várias iniciativas globais em matéria de monitorização dos progressos alcançados pelos governos locais e regionais. O Pacto de Autarcas e a plataforma «Carbon Climate Registry» são dois bons exemplos. Contudo, o Acordo de Paris ainda não prevê um mecanismo formal de monitorização das emissões e de comunicação dos cortes pelos municípios e regiões, nem no âmbito dos contributos determinados a nível nacional nem através de um sistema direto das Nações Unidas.

Estão disponíveis aqui fotografias da reunião plenária e da visita para a imprensa sobre a ação climática.

Informações complementares

Pareceres do CR relacionados com o Acordo de Paris sobre o clima:

Rumo a um acordo mundial sobre o clima em Paris , relatora: Annabelle Jaeger (FR-PSE), membro do Conselho Regional da Provença-Alpes-Côte d'Azur (outubro de 2015).

Aplicação do acordo mundial sobre o clima – uma abordagem territorial da COP 22 em Marraquexe , relator: Francesco Pigliaru (IT-PSE), presidente da região da Sardenha e antigo presidente da Comissão ENVE do CR (outubro de 2016).

Financiamento da luta contra as alterações climáticas – um instrumento fundamental para a aplicação do Acordo de Paris , relator: Marco Dus (IT-PSE), membro do Conselho Municipal de Vittorio Veneto, província de Treviso (outubro de 2017).

Contacto: David Crous | david.crous@cor.europa.eu | +32 (0) 470881037

Share: