Clique aqui para obter uma tradução automática do texto seguinte.
Estratégia Atlântica terá de ser reforçada após Brexit  

A saída prevista do Reino Unido da União Europeia constitui uma ameaça para as economias e as comunidades costeiras vulneráveis da região atlântica, afirmou o Comité das Regiões Europeu. Em recomendações adotadas em 1 de dezembro, a assembleia da UE dos dirigentes locais e regionais anima a UE a reforçar a sua recente Estratégia Atlântica e a permitir que as regiões e os municípios do Reino Unido continuem a participar nos programas da UE.

As recomendações também exortam a Irlanda, França, Espanha e Portugal a reagirem à saída do Reino Unido da UE através de uma cooperação mais estreita sobre questões marítimas, a fim de colmatar as lacunas que daí resultarão nos domínios da ciência e da inovação, da monitorização, da energia oceânica e dos investimentos marítimos. No seu parecer, o Comité das Regiões Europeu (CR) considera alarmante o impacto potencial da saída do Reino Unido na política comum das pescas, reiterando a necessidade de uma abordagem global do desenvolvimento económico e da promoção do emprego nas regiões costeiras e insulares.

O autor do parecer, Jerry Lundy (IE-ALDE), membro do Conselho do Condado de Sligo e da Assembleia Regional do Norte e Oeste, declarou que «a Estratégia Europeia para a Região Atlântica e o respetivo plano de ação foram adotados há quase cinco anos e ajudaram as regiões a recuperar da crise económica e a preservar os ecossistemas marinhos e costeiros, mas é necessário atualizar e reforçar o plano. Na região atlântica, estamos a ponto de assistir à saída da União Europeia de uma grande nação marítima, e ao mesmo tempo um importante investidor na economia marinha e na investigação, o Reino Unido. No interesse da credibilidade e da visibilidade, pensamos que a UE deve prever financiamento específico, em vez de obrigar as comunidades a procurar apoios entre os fundos da UE. Estamos a explorar formas de cooperação entre os países atlânticos em matéria de criação de emprego, turismo, pesca, energia sustentável e, acima de tudo, financiamento.»

Jerry Lundy acrescentou que «temos de continuar a renovar as nossas regiões costeiras e ilhas. Não podemos ter uma economia se não tivermos uma comunidade. Não podemos revitalizar as nossas comunidades sem um plano económico que mantenha os jovens nessas comunidades. Por isso, importa preservar as competências, o património e as traduções das comunidades e continuar a investir nos jovens e em novos empregos.»

Realçando o potencial de revitalização das regiões costeiras, Jerry Lundy afirmou que «em vez de olharmos para dentro – para o carvão, o gás e o petróleo –, como no passado, devemos olhar para cima – para o vento, o sol e as ondas, capazes de produzir energia sustentável e limpa. A formação, as competências e boas estradas são importantes, mas a banda larga também. Muitas empresas que poderiam instalar-se na costa têm de fazer chegar os seus produtos ao mercado e precisam de boa conectividade. Se criarmos estas condições, estou certo de que podemos criar mais emprego nas regiões costeiras e nas ilhas. Um exemplo da minha região é a «Wild Atlantic Way» [via do Atlântico selvagem], que estamos a desenvolver para encorajar os turistas e os empresários a visitar-nos e a investir.»

Em 1 de dezembro, o Comité das Regiões Europeu adotou igualmente recomendações que exortam a UE a dar mais prioridade à modernização das zonas rurais da Europa, transformando a sua iniciativa «aldeias inteligentes» numa Agenda Rural da UE. A UE adotou a sua Agenda Urbana em 2016. O relator sobre as «aldeias inteligentes» foi Enda Stenson (IE-AE), membro do Conselho do Condado de Leitrim.

O parecer de Jerry Lundy sobre a Estratégia Europeia para a Região Atlântica baseia-se nas recomendações do CR para o futuro da política de coesão após 2020 e na resolução do CR sobre as «Implicações para os órgãos de poder local e regional da intenção do Reino Unido de se retirar da União Europeia» Em 30 de novembro, vários membros do CR realizaram um debate alargado sobre as implicações da saída prevista do Reino Unido da UE,com a intervenção de mais de 30 participantes, entre os quais Jerry Lundy.

Contacto:

Andrew Gardner

Tel. +32 473 843 981

andrew.gardner@cor.europa.eu