Clique aqui para obter uma tradução automática do texto seguinte.
COP 24: municípios e regiões reclamam papel formal no Acordo de Paris  
O Comité das Regiões Europeu associa-se ao apelo das redes de governos locais em todo o mundo, lançado em Katowice, para que os municípios e as regiões tenham um papel formal no Acordo de Paris

As cidades são responsáveis por 70% das emissões de gases com efeito de estufa no mundo, sendo os governos locais, por seu turno, responsáveis por mais de 70% das medidas de redução das alterações climáticas e até 90% das medidas de adaptação às mesmas. No entanto, o Acordo de Paris revela-se insuficiente no que se refere à integração de um sistema de monitorização e informação sobre os compromissos e realizações dos municípios e regiões em relação à redução das emissões de CO 2 . O apelo a contributos determinados a nível infranacional, em complemento dos compromissos nacionais constantes do chamado livro de regras de Paris, está a ganhar eco em Katowice por ser considerado fundamental para colmatar as disparidades nas emissões . O Comité das Regiões Europeu interveio na Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP 24), apelando para que os municípios e regiões tenham um papel formal na aplicação do Acordo de Paris que visa limitar o aquecimento global a 1,5 ºC acima dos níveis pré - industriais. Veja aqui as fotografias da delegação do CR na COP 24 (@ COP24) .

O Comité das Regiões Europeu participa na COP 24, em Katowice, com um mandato claro: defender um papel formal para o poder local e regional na governação mundial do clima e na aplicação do Acordo de Paris. Três anos após a assinatura do Acordo de Paris sobre o clima, Katowice é o prazo voluntário para adoção de um programa de trabalho sólido que permita levar por diante o acordo.

Segue-se um resumo das atividades e declarações do CR na COP 24 (@ COP24).

13 de dezembro de 2018

O primeiro vice-presidente do CR, Markku Markkula (FI-PPE) , proferiu um discurso de encerramento, no pavilhão da UE, numa sessão especial sobre as forças motrizes para atingir a neutralidade em termos de carbono na indústria europeia. O presidente do Conselho Municipal de Espoo afirmou: « Saudamos as intenções positivas e as tendências das indústrias de grande consumo energético para reduzir a sua pegada de carbono. Podem contar com o nosso apoio para criar parcerias no sentido de maximizar o potencial do Plano Estratégico Europeu para as Tecnologias Energéticas e promover a investigação e a inovação, desenvolvendo a cooperação entre a UE, os Estados-Membros, as regiões, o setor industrial e os institutos de investigação. A transformação industrial da Europa deve ser uma prioridade do Horizonte Europa e dos investimentos privados e regionais. Sem a descarbonização do setor industrial não seremos capazes de alcançar os objetivos em matéria de clima e de energia definidos para 2030, nem honrar os compromissos que assumimos no Acordo de Paris, já para não falar dos objetivos da estratégia para se atingir a neutralidade carbónica até 2050. Temos de unir esforços para facilitar a transição para uma economia hipocarbónica que trará benefícios para todos.» O evento «Rumo a uma indústria europeia florescente e neutra em termos de carbono» foi organizado pela DG RTD da Comissão Europeia, juntamente com a Carbon Market Watch e a SPIRE PPP.

12 de dezembro de 2018

António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, proferiu a alocução de abertura da sessão de encerramento dos Diálogos de Talanoa entre regiões e municípios , organizados no âmbito da COP 24. De forma pouco habitual, a sessão de alto nível foi presidida por dois presidentes da COP, o presidente da COP 23 e primeiro - ministro fijiano, Josaia Voreqe Bainimarama , e o secretário de Estado do Ministério polaco da Energia e representante plenipotenciário na Presidência da COP 24, Michał Kurtyka .

Cor Lamers (NL-PPE) , presidente do município de Schiedam e da Comissão ENVE do CR, tomou a palavra na plenária, em nome dos governos locais de todo o mundo, para solicitar a inclusão formal dos municípios e das regiões no Acordo de Paris. Cor Lamers fez passar a mensagem política em nome do Grupo dos Governos Locais e Autarquias. Este grupo – através do seu ponto focal, os Governos Locais pela Sustentabilidade (ICLEI) – coordena os observadores dos governos locais nas negociações intergovernamentais sobre clima no âmbito da CQNUAC.

Cor Lamers declarou: «Em nome do Grupo dos Governos Locais e Autarquias, apelamos para que as partes no Acordo de Paris prossigam os diálogos de Talanoa após a COP 24 e integrem no Acordo de Paris, para além dos contributos determinados a nível nacional, os contributos determinados a nível local e regional. Além disso, apelamos à Presidência da COP 24 para que reconheça formalmente, na declaração final da COP 24, os compromissos e as realizações dos governos locais e regionais. Os governos locais em todo o mundo estão determinados a produzir resultados. Podem contar connosco!»

Através do Grupo dos Governos Locais e Autarquias, os governos locais e regionais em todo o mundo instam todas as partes a assegurarem que a declaração final da COP 24 contém a seguinte referência: «Saudamos o trabalho e os resultados dos diálogos de Talanoa e convidamos as partes a tê-los em conta nos contributos determinados a nível nacional.» Os governos locais apelaram para que a Presidência da COP 24 reforce o enunciado desse ponto através de uma referência à ação a vários níveis e o insira na declaração final da COP 24.

As Nações Unidas, no seu último relatório sobre as disparidades nas emissões , confirmaram o potencial dos municípios e das regiões na luta contra o aquecimento global, ao mesmo tempo que apontaram a falta de informações sobre o seu impacto. Os contributos determinados a nível local e regional são concebidos para colmatar a falta de dados e, ao mesmo tempo, reduzir as disparidades nas emissões e elevar as ambições em matéria de ação pelo clima.

No final da sessão, as presidências da COP 23 e COP 24 anunciaram um apelo à ação no âmbito dos diálogos de Talanoa . Os diálogos de Talanoa foram lançados no ano passado pela Presidência fijiana da COP 23, enquanto quadro global facilitador para fazer o balanço dos esforços coletivos dos governos infranacionais, da sociedade civil e das empresas para atenuarem as alterações climáticas, a fim de melhorar a tomada de decisões em matéria de clima ao nível das Nações Unidas. Ao longo de 2018, o Grupo dos Governos Locais e Autarquias participou em mais de 60 diálogos de Talanoa, em 40 países diferentes. Destes diálogos, 52 foram organizados por governos locais e regionais, respetivas redes ou parceiros.

Em 12 de dezembro, o presidente da Comissão ENVE do CR, Cor Lamers , reuniu-se com a sua homóloga do Parlamento Europeu, Adina-Ioana Vălean (RO-PPE) , presidente da Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar (ENVI). Ambos estiveram presentes na sessão de informação sobre as negociações da COP 24, presidida pelo comissário responsável pela Ação Climática, Miguel Arias Cañete .

11 de dezembro de 2018

Em 11 de dezembro, o CR participou no Dia da Energia da União Europeia, que ocorreu no pavilhão da UE na COP 24. Numa sessão especial sobre as regiões carboníferas, Markku Markkula (FI-PPE) , primeiro vice-presidente do CR, afirmou que «o caso das regiões carboníferas revela quão importante é a governação a vários níveis para realizar a transição energética. Os governos nacionais, os municípios e as regiões, a indústria, o meio académico, os cidadãos e a UE têm de trabalhar em conjunto para que esta transformação seja um êxito. As novas tecnologias e o desenvolvimento de capacidades são cruciais para abdicar do carvão como fonte de energia. As regiões carboníferas precisam de medidas financeiras sólidas e adaptadas às suas especificidades. Por conseguinte, congratulamo-nos com a proposta do deputado europeu, Jerzy Buzek , presidente da Comissão ITRE do Parlamento Europeu, de afetar 4,8 mil milhões de euros no próximo orçamento plurianual da UE ao Fundo para a Transição Energética Justa.» O CR presta apoio à Plataforma para as Regiões Carboníferas em Transição , criada há apenas um ano pela Comissão Europeia como parte integrante do pacote Energia Limpa para Todos os Europeus.

O comissário europeu Miguel Arias Cañete declarou que «o setor do carvão na UE emprega 240 000 trabalhadores. A indústria do carvão continua ativa em 41 regiões em 12 Estados-Membros. Quero que o desafio da transição seja uma oportunidade para as regiões carboníferas. Isto é possível e viável. Já prestámos apoio a reformas estruturais em 13 regiões-piloto na Eslováquia, na Polónia, na Grécia, na Roménia, na República Checa, na Alemanha e em Espanha.

Para reforçar a sua parceria estratégica, o CR e o ICLEI – Governos Locais pela Sustentabilidade, realizaram uma reunião bilateral na COP 24, em 11 de dezembro. «As negociações climáticas estão em curso e são uma excelente ocasião para reiterar a nossa cooperação passada, presente e futura no domínio da ação climática, mas também no que diz respeito à proteção e conservação da biodiversidade», afirmou Markku Markkula (FI-PPE) . Ashok Sridharan , presidente do ICLEI e do município de Bona, lança o apelo aos membros do CR para que continuem a assegurar o cumprimento das metas em matéria de clima e de biodiversidade na Europa e a insistirem em maior ambição e mecanismos financeiros adequados.

Em 11 de dezembro, a delegação do CR esteve presente na sessão de informação da Comissão Europeia sobre os progressos das negociações da COP 24 , juntamente com deputados ao Parlamento Europeu e delegados dos Estados-Membros. Andrew Cooper (UK-AE) , membro do Conselho Distrital de Kirklees e relator do Parecer – Governação do clima pós-2020 , interpelou o comissário Miguel Arias Cañete, reclamando o «acesso ao documento político final da COP 24 e a atribuição de um papel formal aos órgãos de poder local e regional. Queremos o reconhecimento de que somos nós que obtemos resultados no terreno. Temos de ser incluídos e tidos em conta». O comissário Miguel Arias Cañete respondeu, dizendo: «Temos noção de que a execução das políticas climáticas pressupõe a participação dos municípios e das regiões. Ainda não sabemos qual vai ser o texto que as presidências apresentarão esta tarde. Essa referência foi incluída e procuraremos apoiar esta ideia».

10 de dezembro de 2018

Andrew Cooper (UK-AE) tomou a palavra, no pavilhão da UE, para reiterar o apelo do CR para que «os inventários nacionais a apresentar no âmbito do quadro de transparência do Acordo de Paris incluam uma secção específica sobre as medidas de atenuação tomadas pelos governos infranacionais». Teve igualmente a oportunidade de partilhar estas mensagens no pavilhão da Alemanha, juntamente com Ashok Sridharan , presidente do ICLEI e do município de Bona , numa sessão dedicada aos «Indicadores dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) para os municípios: inspiração para elevar as ambições dos contributos determinados a nível local».

Em 10 de dezembro, no Dia do Pacto Global de Autarcas, celebrado no pavilhão da UE, Markku Markkula (FI-PPE) afirmou: «É tempo de elevar as ambições e realizar mais pelo clima. Os municípios e as regiões estão prontos a reforçar o contributo que dão em complemento dos compromissos nacionais em matéria de clima. O lema da presidência polaca para a COP 24 é “Mudar em conjunto”. Nós, os governos locais e regionais, somos ambiciosos, inclusivos e inovadores. Sabemos como produzir resultados no domínio da ação climática. O que podemos dizer hoje às partes das Nações Unidas é que podem contar connosco!». O evento foi organizado pela DG CLIMA da Comissão Europeia, juntamente com o ICLEI, o Gabinete do Pacto de Autarcas e o CR. Markku Markkula reuniu-se com Marcin Krupa , presidente do município de Katowice, e felicitou a cidade anfitriã da COP 24 pela sua adesão ao Pacto de Autarcas, afirmando que «para cumprir os compromissos do Acordo de Paris é preciso haver cada vez mais municípios a defenderem a ação pelo clima».

Sirpa Hertell (FI-PPE) , relatora do Parecer do CR – Rumo a uma nova estratégia da UE para a adaptação às alterações climáticas e membro do Conselho Municipal de Espoo, participou numa reunião bilateral com a Aliança contra as Alterações Climáticas, em 10 de dezembro. «Concordamos com as nossas redes de parceiros de que é chegado o momento de reforçar a ação climática a nível local. Para inverter o aquecimento do planeta precisamos de um novo modelo económico e social que só poderá ter êxito se for ancorado no nível local», afirmou Sirpa Hertell.

Em 10 de dezembro, a delegação do CR na COP 24 participou, a convite do presidente do município de Katowice, Marcin Krupa , no evento « Katowice e a Transição Climática: o culminar dos municípios e das regiões na COP 24 ». Este evento incluiu a apresentação dos mais de 60 Diálogos de Talanoa entre municípios e regiões , bem como uma mesa-redonda sobre a ação climática a nível local, na qual o primeiro vice-presidente do CR, Markku Markkula, transmitiu as principais mensagens políticas do CR para a COP 24 .

No final da primeira semana da COP 24, Marco Dus (IT-PSE) foi um dos oradores na Cimeira de 2018 sobre Saúde Mundial e Alterações Climáticas . O relator do Parecer do CR – Financiamento da luta contra as alterações climáticas declarou que «os responsáveis políticos locais, nacionais e mundiais têm de agir já para reduzir significativamente a poluição atmosférica e reforçar a resiliência às alterações climáticas. Para muitos órgãos de poder local e regional, o acesso ao financiamento é um elemento-chave para implementar medidas de ação climática em defesa da saúde. Todos os anos, morrem 7 milhões de pessoas devido à poluição atmosférica em todo o mundo. O cumprimento dos objetivos do Acordo de Paris poderia salvar a vida de cerca de um milhão de pessoas, em todo o mundo, por ano, até 2050, e isso apenas através da redução da poluição atmosférica ( OMS ).

Para além da brochura especial da COP 24 sobre boas práticas , e para continuar a dar maior projeção aos municípios e às regiões que obtêm resultados no domínio da ação climática, o CR coordenou a presença na COP 24 dos vencedores do Prémio Covenant Cities in the Spotlight 2018 , que distingue municípios do Pacto. Na segunda semana da COP 24, juntaram-se à delegação do CR Roberto Campelli, presidente do município de Monsano , Erik Lauritzen, presidente do município de Sønderborg , e Frederic Ximeno, comissário responsável pela Ecologia do Conselho Municipal de Barcelona .

Contexto:

A delegação do CR na COP 24 é composta por Markku Markkula ( FI-PPE ), primeiro vice-presidente do CR e presidente do Conselho Municipal de Espoo, Cor Lamers (NL-PPE ), presidente da Comissão ENVE do CR e presidente do município de Schiedam, Valter Flego (HR-ALDE) segundo vice-presidente da Comissão ENVE do CR e presidente do distrito de Istra, Andrew Cooper (UK-AE) , coordenador do Grupo da AE na Comissão ENVE do CR, relator do parecer do CR sobre a governação do clima pós-2020 e membro do Conselho de Kirklees do Reino Unido, Marco Dus (IT-PSE) , relator do parecer do CR sobre o financiamento da luta contra as alterações climáticas e membro do Conselho Municipal de Vittorio Veneto, Sirpa Hertell (FI-PPE) , relatora do parecer do CR sobre a estratégia da UE de adaptação às alterações climáticas e membro do Conselho Municipal de Espoo, Andres Jaadla (EE-ALDE ), coordenador do Grupo da ALDE na Comissão ENVE do CR e membro do Conselho Municipal de Rakvere, Daiva Matonienė (LT-CRE) , coordenadora do Grupo dos CRE na Comissão ENVE do CR e membro do Conselho Distrital de Šiauliai e André Van De Nadort (NL-PSE) , coordenador do Grupo do PSE na Comissão ENVE do CR e presidente do município de Weststellingwerf.

Mensagens políticas e delegação à COP 24

Brochura da COP 24 sobre boas práticas

Contributos determinados a nível local e regional

Embaixadores do Pacto de Autarcas

Alterações climáticas – Pode contar connosco! (Prefácio pelo presidente do Comité das Regiões Europeu, Karl-Heinz Lambertz, e pelo primeiro vice-presidente do Comité das Regiões Europeu, Markku Markkula), 18/11/2018

Prontos para a COP 24?, 15/11/2018

Elevar as ambições climáticas dos governos locais, 19/09/2018

Alterações climáticas: são precisas mais ambição e uma nova governação para implementar o Acordo de Paris, 06/07/2018

Para mais informações, consulte o sítio Web do CR dedicado à COP 24

Contacto: David Crous | david.crous@cor.europa.eu | +32 (0) 470 88 10 37

Partilhar :
 
Notícias relacionadas

1.HTTPS://COR.EUROPA.EU/PT/NEWS/PAGES/COP15-.ASPX

2.HTTPS://COR.EUROPA.EU/PT/NEWS/PAGES/COP24-CITIES-AND-REGIONS-CALL-FOR-A-FORMAL-ROLE-IN-THE-PARIS-AGREEMENT.ASPX

COP15: European Committee of the Regions formally recognised as key partner to implement the Kunming-Montreal global biodiversity framework
COP15: European Committee of the Regions formally recognised as key partner to implement the Kunming-Montreal global biodiversity framework
19.12.2022

1.HTTPS://COR.EUROPA.EU/PT/NEWS/PAGES/EU'S-ZERO-POLLUTION-AMBITION.ASPX

2.HTTPS://COR.EUROPA.EU/PT/NEWS/PAGES/COP24-CITIES-AND-REGIONS-CALL-FOR-A-FORMAL-ROLE-IN-THE-PARIS-AGREEMENT.ASPX

The 'One Health' approach must be at the forefront of the EU's Zero Pollution Ambition
The 'One Health' approach must be at the forefront of the EU's Zero Pollution Ambition
14.12.2022

1.HTTPS://COR.EUROPA.EU/PT/NEWS/PAGES/MORE-AMBITIOUS-BIODIVERSITY-TARGETS.ASPX

2.HTTPS://COR.EUROPA.EU/PT/NEWS/PAGES/COP24-CITIES-AND-REGIONS-CALL-FOR-A-FORMAL-ROLE-IN-THE-PARIS-AGREEMENT.ASPX

EU cities and regions call for more ambitious biodiversity targets
EU cities and regions call for more ambitious biodiversity targets
09.12.2022

1.HTTPS://COR.EUROPA.EU/PT/NEWS/PAGES/CLIMATE-COMMITMENTS.ASPX

2.HTTPS://COR.EUROPA.EU/PT/NEWS/PAGES/COP24-CITIES-AND-REGIONS-CALL-FOR-A-FORMAL-ROLE-IN-THE-PARIS-AGREEMENT.ASPX

The European Committee of the Regions and the European Economic and Social Committee step up their climate commitments
The European Committee of the Regions and the European Economic and Social Committee step up their climate commitments
08.12.2022

1.HTTPS://COR.EUROPA.EU/PT/NEWS/PAGES/SMES-HOUSEHOLD-ENERGY-CRISIS.ASPX

2.HTTPS://COR.EUROPA.EU/PT/NEWS/PAGES/COP24-CITIES-AND-REGIONS-CALL-FOR-A-FORMAL-ROLE-IN-THE-PARIS-AGREEMENT.ASPX

Poder local e regional, PME e agregados familiares da UE precisam de apoio específico dos fundos de emergência da UE para inverterem crise energética
Poder local e regional, PME e agregados familiares da UE precisam de apoio específico dos fundos de emergência da UE para inverterem crise energética
01.12.2022