Política linguística  

O nosso objetivo é informá-lo na sua língua materna – ou noutra língua que compreenda – em função do tipo de informação que procura.  

Línguas oficiais da UE

alemão, búlgaro, checo, croata, dinamarquês, eslovaco, esloveno, espanhol, estónio, finlandês, francês, grego, húngaro, inglês, irlandês, italiano, letão, lituano, maltês, neerlandês, polaco, português, romeno e sueco.

Línguas de publicação da informação disponível no sítio Web do Comité das Regiões

  • Estrutura de navegação do sítio Web
  • Nas línguas oficiais da UE.

  • Informações gerais
  • Nas línguas oficiais da UE sempre que estejam traduzidas.

  • Documentos oficiais, documentos com relevância política, informações e documentos da reunião plenária
  • Em todas as línguas oficiais da UE.

  • Informações urgentes ou de curta duração (notícias, eventos,…)
  • Não são publicadas em todas as línguas. A escolha da(s) língua(s) depende do público-alvo.

  • Informações especializadas (informações técnicas, trabalhos em curso, concursos públicos)
  • Principalmente em inglês.

  • Informações específicas de caráter nacional ou regional (A Europa na minha região)
  • Na língua do país.

  • Formulários de contacto e respostas às suas mensagens
  • As mensagens podem ser enviadas em qualquer língua oficial da UE e, quando possível, as respostas são dadas na mesma língua. Pede-se a indicação de uma língua alternativa de preferência (inglês, francês ou alemão), para garantir uma resposta rápida.
 

Ficou admirado/a por alguma informação não estar disponível na sua língua?

Por vezes, os visitantes do sítio Web admiram-se por uma dada página não estar disponível na sua língua.
 
Em geral, as línguas disponíveis no sítio Web do Comité das Regiões dependem das seguintes condicionantes:
  • importância (jurídica)  – o público tem de ter acesso a todos os documentos oficiais, por isso estes são produzidos em todas as línguas oficiais.
  • Outros documentos são traduzidos apenas para as línguas necessárias (por exemplo, comunicação com autoridades nacionais, organizações ou indivíduos);

  • urgência  – para serem relevantes, alguns tipos de informação têm de ser publicados rapidamente. Como a tradução demora tempo, preferimos publicar rapidamente nas línguas compreendidas pelo maior número de europeus do que esperar pela tradução para todas as línguas; 

  • custo-benefício – para poupar o dinheiro dos contribuintes, no caso de páginas altamente especializadas, que são consultadas por relativamente poucas pessoas, a preocupação é assegurar que a maioria das pessoas consegue compreender o essencial da informação;          

  • condicionalismos técnicos – gerir um sítio em mais de 20 línguas é altamente complexo e requer muitos recursos humanos e financeiros;

  • tradução  – dispomos de um número limitado de tradutores e de um pequeno orçamento para tradução (tratando-se de dinheiro dos contribuintes).

 

No entanto, em algumas páginas é possível solicitar uma tradução automática disponibilizada pelo Serviço eTranslation da Comissão Europeia.
  • A tradução automática pode dar uma ideia geral do conteúdo numa língua que domine. Há, contudo, que ter em conta que não envolve intervenção humana, pelo que a qualidade e a exatidão da tradução automática podem variar de forma significativa de um texto para outro e entre pares de línguas diferentes.

 

Agradecemos que nos envie a sua opinião sobre a tradução automática!​